Paulo Pinto é licenciado em História pela Faculdade de Letras de Lisboa, mestre em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e prepara doutoramento em História pela Universidade Católica Portuguesa. Não foi, porém e ao contrário do que pode parecer, expulso de nenhuma delas. Primeiro aprendeu os rudimentos do ofício, depois estudou a presença portuguesa no Sueste Asiático e agora trata as relações luso-castelhanas na Ásia. Até ver, trabalha e lecciona no Instituto de Estudos Orientais da mesma Universidade. Tem escrito e traduzido para aí umas coisas, que podem ser encontradas nas bibliotecas, na Feira do Livro a preço de saldo ou na sua residência. Algumas delas falharam a Feira de Frankfurt, ocupam espaço e doam-se com fins caritativos, tanto para tratamento de insónia como para segurar armários coxos. Para desanuviar, escreve no Jugular e, para desenjoar deste, disparata cenas obscenas no Womenage a Trois.