Nuno Teotónio Pereira, nasceu em 1922, em Lisboa. Arquitecto pela Escola de Belas Artes de Lisboa. Tem desenvolvido a sua actividade em regime de profissão liberal, ainda que simultânea, durante cerca de vinte anos, com a de técnico de um organismo público ligado à habitação social, domínio em que adquiriu vasta experiência. Vários trabalhos saídos do seu gabinete foram distinguidos com o Prémio Valmor e outros. Em 2004, foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante, por altura duma exposição no Centro Cultural de Belém, documentando a actividade do seu atelier ao longo de sessenta anos e denominada «Arquitectura e Cidadania». É sócio correspondente da Academia Nacional de Belas Artes, foi presidente do Movimento de Renovação da Arte Religiosa, da Cooperativa Cultural PRAGMA, do Centro Nacional de Cultura, da Associação dos Arquitectos Portugueses e do Conselho de Arquitectos da Europa.

Membro da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos, foi coordenador do jornal clandestino Direito à Informação, participou nas vigílias contra a guerra colonial da Igreja de S. Domingos e da Capela do Rato e no Boletim Anti-Colonial e foi preso várias vezes pela PIDE/DGS, tendo sido libertado de Caxias pelo 25 de Abril. Em 1995 recebeu a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.

É autor de numerosos artigos e comunicações sobre Arquitectura, Urbanismo, Habitação, Património e Território.