Jorge Semprún, no 65º aniversário da libertação dos presos de Buchenwald.
(El País)