Um texto de Jorge Martins (*)

 
Uma das formas de dinamizar o Núcleo Museológico do Posto de Comando do MFA (NMPC) é fazer jus à simbologia daquele espaço, implementando a realização anual de um ciclo de conferências sobre a ditadura (1926-1974), a resistência antifascista e das oposições democráticas e o 25 de Abril de 1974. A censura, a guerra colonial, a PVDE/PIDE/DGS são alguns dos temas incontornáveis para que não se apague a memória do Salazar-marcelismo, pois as novas gerações correm o risco de não fazerem a mínima ideia do que era viver em ditadura e assim estarem avisadas para que não permitam que volte a acontecer.

As comemorações do Centenário da República, que no próximo ano inundarão a sociedade portuguesa com múltiplas iniciativas, seriam um óptimo pretexto realizar o 1º Ciclo de Conferências do Posto de Comando do MFA. Que melhor começo do que promover o debate sobre a República Democrática e a sua substituição por uma ditadura militar?

O NMPC tem um belíssimo auditório para lá se realizarem essas conferências. Cabe à Câmara Municipal de Odivelas a responsabilidade de as promover e organizar. Desta forma, para além de estar a contribuir para a formação cívica das novas gerações, poderia proporcionar o diálogo de historiadores e protagonistas da resistência antifascista e dos Capitães de Abril com a população do nosso concelho, designadamente com os nossos estudantes.

Para o convite aos conferencistas, não seria difícil a proposta de parcerias com os centros de estudos históricos das universidades, com o Centro de Documentação 25 de Abril da Universidade de Coimbra, com a Associação 25 de Abril, com associações cívicas como o Movimento Cívico Não Apaguem a Memória e a União dos Resistentes Antifascistas Portugueses.

 
(*) Biografia de Jorge Martins

Advertisements