Um texto de António Marquês (*)

Faz hoje precisamente 45 anos. 19 de Novembro de 1964. Nos dias antes, o meu pai tinha-me avisado várias vezes: “Toino, olha que isto do trabalhar não custa nada, temos que respeitar os mais velhos, eles sabem mais do que tu”; “não te deixes levar por aqueles que te vão dizer que os que ganham mais é que devem trabalhar, tu só vais como aprendiz, vais para aprender”. Tinha eu os meus 14 anos, feitos em Março, no mês dos burros. Ia começar a trabalhar, ia entrar nesse novo mundo. Os estaleiros da Parry & Son, em Cacilhas, eram o local laboral escolhido para a minha iniciação no mundo do trabalho.

Já sabia que tinha que apanhar a camioneta da Beira-Rio que passava no centro da Cruz de Pau às 7 e vinte. Nesse tempo, o percurso até Cacilhas, livre das centenas de automóveis e do comboio que hoje o mortificam, ainda se fazia em 15 minutos, vá lá 20 minutos, no máximo. Até Corroios aquilo era limpinho: 2 minutos. A partir do Laranjeiro já começava a parar mais, de vez em quando uma entrada de 4 ou 5 passageiros, um ou outro que acabava a viagem e, porque estava mais perto da porta da frente, era por aqui que saía e logo atrapalhava um pouco. Na Cova da Piedade é que se perdia mais uns momentos, que eram recuperados com uma aceleração até Cacilhas, ainda sem a Lisnave, que nesse tempo o motorista era só isso: condutor. Sem ser preciso sorte, aos vinte para as oito eu entrava na Parry e tinha 17/18 minutos para trocar de roupa. A chapa tinha que estar no chapeiro da oficina até às 8 h, quando o Sr. Cleto, o encarregado, a fechava. Quem viesse depois…

Mas o São Pedro não esteve comigo nesse dia e o meu planeamento saiu todo furado. Novembro já a mais de meio, nesse dia estava, às 7 horas da manhã, quando saí de casa, um nevoeiro dos diabos. Chegado à paragem dos autocarros, havia um monte (nesse tempo ainda não se formavam filas) de gente que dava para dois autocarros, pois estes andavam atrasados. E agora, que fazer? Os meus pais já tinham saído para a fábrica ainda mais cedo do que eu. Já não podia dispor das suas palavras. Restou-me aguardar e pensar como é que iria ser recebido, a chegar atrasado logo no primeiro dia.

Entretanto, os autocarros passavam, metiam meia dúzia de pessoas, ainda estive para ir para a paragem dos carros directos do Seixal, que vêm pelas Paivas, mas desisti: é que daí estavam também a vir pessoas para o monte onde eu estava. E eu a começar a pensar e, se calhar, a ficar um bocadito nervoso. Mas lá vem uma camioneta vazia de Cacilhas, dá a volta junto das paragens e lá leva, com alguns atropelos à mistura, quase toda a gente. E eu lá entro também, segurando bem no saco com o almoço e onde iam, ainda, os livros e os cadernos para as aulas à noite na Emídio Navarro.

A viagem até Cacilhas, em vez dos 15/20 minutos, demorou quase 40, bem contadinhos no relógio de contrabando (marca Ultramar – nunca vi nenhum outro com esta marca) que os meus pais me tinham comprado uma semana antes. Devo ter olhado mais de vinte vezes para os ponteiros. Estava apreensivo: o que me poderiam dizer ou fazer, quando logo no primeiro dia de trabalho chego atrasado. E tanto que o meu pai me tinha avisado…

Pronto, mas chegado a Cacilhas, já passavam bem das oito e meia, continuava o nevoeiro, mas agora isso já não me impedia o passo largo, quase a correr, para voltar um pouco para trás e galgar aqueles perto de 200 metros até ao portão de entrada. Entrado que fui, o guarda olhou assim dum modo especial para mim e para o seu relógio, ao mesmo tempo que fazia uma certa careta e um leve encolher de ombros, como que a dizer de si para si “esta juventude…” e indicou-me o caminho para a Secção de Pessoal e eu lá fui, um bocado acabrunhado e antecipando, tanto quanto possível, o cenário da recepção. Aqui, fico um pouco “aliviado”. O chefe da Secção, Sr. Carlos Santos, importante, já estava a dar um raspanete em dois outros retardatários, aprendizes como eu, que vinham da Charneca da Caparica. Apanhei o meu a meio dos dirigidos aos outros. Assim, foi menos doloroso.

(*) Biografia de António Marquês

Anúncios