spínola 28 setembro

Há trinta e cinco anos, o país estava agitadíssimo. Desde as primeiras horas da manhã, dezenas de grupos de militantes paravam e revistavam carros de quem, hipoteticamente, se dirigia a Lisboa para a chamada Manifestação da Maioria Silenciosa – uma iniciativa de apoio ao general Spínola, convocada dias antes por cartazes que invadiram a cidade.

Os sinais públicos de ruptura crescente entre o presidente da República e o governo de Vasco Gonçalves e o MFA tinham sido mais do que evidentes, dois dias antes, durante uma tourada organizada pela Liga dos Combatentes no Campo Pequeno, durante a qual Spínola foi aplaudido e Vasco Gonçalves apupado.

A Manifestação do dia 28 não chegou a realizar-se porque o COPCON prendeu na véspera cerca de setenta pessoas suspeitas de estarem ligadas à iniciativa e pelas actividades populares acima referidas. E Spínola acabou por pedir a demissão em 30 de Setembro, tendo sido substituído na presidência da República por Costa Gomes.

Num vídeo da RTP (minutos 33:29 a 44:06), que aconselho vivamente, percebe-se bem o contexto e vêm-se – ou revêem-se – todos os acontecimentos acima referidos.

P.S. – Uma nota de carácter pessoal. Quando, na tarde de 28 de Setembro, tentava entrar em Lisboa, fui parada algures na avenida da Índia por uma das tais barricadas. Mas escapei à inspecção minuciosa do meu carro porque alguém do grupo me reconheceu – obrigada, Helena Pato

Anúncios