Primavera 

 
Rosto sossego em que os perfis se amassam
ou de gaiola fingem, pipilando…
Ó cavalões do medo,
a chuva passa,
a gente passa, sem ninguém que saiba do enredo
e da desgraça.

(O suco da corola é que porém
avisa para sempre que na praça
passa alguém.)

Mas neste riso coxo e saltitado,
mas nesta melopeia menopausa,
mas no senhor por grosso e atacado,
aí resiste e louca existe a causa

pela qual virá uma andorinha
até à vossa orelha, onde se aninha.

 
Pedro Tamen, in Poemas a isto, 1970

Anúncios