css11
   
apagam-se luzes na ágora
não sei do caminho que me leva à biblioteca de Serai
não sei da fotografia de Susan ou dos bandos de corvos desolados
apagam-se luzes
foguetes reflectem-se na córnea
perfuram o cristalino a retina os tímpanos cravam-se no peito

no entanto
não sinto o cheiro da pólvora o humor dos mortos
não me fere o silvo dos detritos arrastados por vagas de pressão
não se me esmaga o arcaboiço
não ensurdeço
não sufoco
não sei o que é o pavor nem a assolação
estou faminta
nunca me saciaram a alma ou negaram refúgio
detalhe arrogante fútil e inútil
quando se apagam luzes na ágora
rui a biblioteca do palácio
não encontro a fotografia de Susan desolada nos destroços
não ouço o crocitar dos corvos
o fôlego da brisa nas tamareiras
as cordas da pandora.

 
(Publicado originalmente em Blue Moleskin)

Desenho: caneta sobre papel, maio 2007.

Desenho e poema de Cláudia Santos Silva

Biografia de Cláudia Santos SIlva

Anúncios