esquerdas_0001_branca_t01
  Esquerda Socialista jornal do Movimento de Esquerda Socialista,
  disponível na Hemeroteca Digital da Câmara Municipal de Lisboa.
  Pode ser folheado aqui.

 
O MES, como todos os partidos nascidos com o 25 de Abril, também criou a sua própria imprensa. Aquando da eclosão do 25 de Abril, somente o PCP dispunha de uma verdadeira imprensa própria, com tradição e enraizamento. Os diversos movimentos de base que haviam de confluir no MES produziam folhas volantes, opúsculos, boletins, mais ou menos ao sabor dos acontecimentos, e conforme as necessidades do momento. Salvo, claro está, as colaborações individuais de muitos dos seus fundadores em publicações marcantes da sociedade portuguesa dos anos 60.   

Esta é uma breve resenha da história da imprensa do MES, como sempre apoiada em documentação que tenho em minha posse e, não somente, em impressões subjectivas. 

O grande entusiasta da criação de um jornal do MES foi César de Oliveira mas a própria natureza do Movimento, criado pela confluência de correntes surgidas de lutas sectoriais, tornou a tarefa mais difícil. A «Comissão de Imprensa» foi criada numa reunião da Comissão Politica, realizada em 12/6/74, sendo encabeçada por Eduardo Ferro Rodrigues e César de Oliveira, mas o Jornal só viria ser publicado em 11 de Setembro.   

Ao contrário do que se poderia supor, a primeira ideia formalizada para título do jornal do MES não foi Esquerda Socialista mas A Luta Operária e integra uma proposta subscrita por aquela «Comissão de Imprensa» titulada: «PROPOSTA – JORNAL DO MOVIMENTO DE ESQUERDA SOCIALISTA – A apresentar à I Assembleia Nacional de Militantes do MES». Trata-se de uma proposta detalhada que, além do título, propõe uma periodicidade semanal, o dia da publicação (5ª feira), o formato (tablóide), nº de páginas: 12 e subtítulos: «Órgão do Movimento de Esquerda Socialista» e «O socialismo em Portugal será obra dos Trabalhadores Portugueses».

Desta proposta inicial sobreviveu quase tudo, menos o título que havia de ser substituído por Esquerda Socialista, já que o anterior, conforme consta num documento posterior, «não ganhou o suficiente apoio». Mas não restam dúvidas que foi César de Oliveira o verdadeiro impulsionador da criação do Jornal, do qual foi director interino dos 7 primeiros números da 1ºa fase, que decorreu entre Setembro de 1974 e o I Congressos de Dezembro desse ano, na qual foram publicados 11 números.

O número zero, já com César de Oliveira ao leme, foi publicado em 11 de Setembro de 1974, merecendo a megalómana tiragem de 100.000 exemplares e no seu editorial são apontados os 6 objectivos que devia prosseguir: «a) a informação e a análise das lutas; b) a informação e análise da realidade portuguesa; c) a promoção do debate político entre os militantes do MES; d) a divulgação das posições do MES à escala e regional; e) a divulgação e análise das experiências internacionais e f) contribuir para a elevação do nível de consciência das classes trabalhadoras …» É claro que a avantajada tiragem também foi devidamente explicada mas não evitou, apesar das vendas estimadas entre 20 e 30.000 exemplares, ter originado, ainda antes da edição do nº1, uma dívida de 176 contos (avultada para a época).

O nº 1, com o subtítulo «Órgão do Movimento de Esquerda Socialista», saiu a 16 de Outubro de 1974, com uma tiragem de 35.000 exemplares, e até ao I Congresso de Dezembro, saíram regularmente, sem falhas, 11 números. Parte da tiragem era então vendida ao preço de 2$50, com 12 páginas e a duas cores. César de Oliveira, em carta publicada no nº 7, demite-se de Director interino, justificando essa demissão por razões pessoais às quais se juntavam, certamente, a evolução, o teor do debate e as consequentes divergências que haviam de desembocar na primeira dissidência consumada aquando do I Congresso.

Entre o nº 7 e o nº 11 a Direcção do Esquerda Socialista foi assumida por Rogério de Jesus evidenciando, como se afirma num documento posterior, «a vitória duma certa concepção obreirista que derrotou o intelectualismo dos “doutores” que vieram a dar origem ao GIS e à actual esquerda do PS».

Não posso deixar de referir o papel marcante, nesta fase inicial, entre os esquecidos criadores do movimento, o designer Robin Fior, um estrangeiro em Lisboa por altura da eclosão do 25 de Abril. Foi ele que desenhou o símbolo do MES o único, adoptado pelos partidos portugueses, com uma declarada feição feminil; Robin foi também o autor da linha gráfica da primeira série do jornal Esquerda Socialista e concebeu um conjunto de cartazes surpreendentes pela sua ousada modernidade. Os materiais gráficos do MES, em particular os da sua fase inicial, alcançaram uma rara qualidade que bem merecia uma cuidada recolha, estudo e divulgação pública.

(*) Biografia de Eduardo Graça

Anúncios