Este poema foi escrito e publicado em 1962, e dedicado a António Alçada Baptista.  Quando parece agora, outra vez, que a nossa sina parou no Alto do Pina, o convite final é o mesmo.
Pedro Tamen, Junho de 2008 (*)

Heródoto contava a história,
mas nós contamos memória
entre os pontos e os is
daquilo que Deus nos quis.
É o que vale. Senão
amortecia no chão
o diadema do dia
(o que bem apetecia).
Por isso nos ocupamos
em tiritar pelos anos
o frio que vem das horas
no degelo das demoras.
Oh, que tragada perdida
esta de nós pela vida,
mesmo apesar de polícias
e Diário de Notícias.
Senhorio, mas de partes,
artistas, de malas-artes
e capados; nossa sina
parou no Alto de Pina.
Isto é que se nos dá,
e andamos ao deus-dará
por muito que não queiramos.
Isto é: agradeçamos
E metamos por aí,
por entre o ponto e o i.

Pedro Tamen, Poemas a isto, Moraes ed., Lisboa, 1962, p.189.

(*) Biografia de Pedro Tamen.

Anúncios